sábado, 27 de março de 2010

Decifra-me ou devoro-te

Nem a sorte nem o azar são acasos do destino. Para mim, Deus está no controle daquilo que comumente chamam boa sorte. Jó passou por desgraças inacreditáveis, sob a permissão de Deus. Que também escolheu mudar a sorte do moribundo após um tempo "interminável" de dor e sofrimento. Quando me vejo reclamando que não aguento mais determinada pressão angustiante e, aparentemente, insuportável, tento aprender o que Jó aprendeu com Deus.
Essa aprendizagem era um enigma indecifrável até pouco tempo atrás. Não importa quantas vezes eu ouvi pregações sobre a história de Jó, eu não conseguia compreender, verdadeiramente, porque ele passou por tantas aflições. Eu entendia porque o Senhor permitiu que satanás roubasse tudo o que Jó tinha, provando suas virtudes enquanto homem temente a Deus e que se desviava do mal. Mas eu nunca percebi o motivo dele continuar sofrendo após passar na prova.
Na verdade, eu ainda não entendo muito bem. :/ Mas reconheço que aquele homem íntegro e reto teve sua sorte alterada por Deus exatamente no momento em que ele orava pelos seus amigos. Decifro ou Deus não mudará a minha sorte? Analisemos as pistas:
  1. Desviar-se do mal: todas as vozes que não paravam de tagarelar nos ouvidos de Jó (amigos e mulher) para ele amaldiçoar a Deus e para reconhecer que só poderia estar passando por tudo aquilo porque não tinha fé, não poderia ser perdoado por seus pecados e coisa e tal. Poxa, eu não aguento 1 minuto alguém falando sem parar como a professora do Charlie Brown (Blábláblábláblá). "- Quem mandou ter filhos?" "- Você não tentou o bastante" "- Deve haver alguma coisa errada com você" "- Você está orando?"... Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaahhh Às vezes, eu ignoro, fico triste, me sinto culpada, com raiva, fujo... Mas o pior é quando quero responder. Geralmente, não vale à pena. Eu deveria aprender com Jó a desviar-me do mal (ressentimento, ira, tristeza), a ouvir com temperança e sem me abalar.
  2. Orar pelo chato ao lado: Ok, ok. Quando alguém aparece só pra iniciar um blá blá básico nos meus ouvidos, eu devo orar. Orar por elas e por mim, porque como diz D2: a cabeça é fria, mas o sangue não é de barata. Mas eu não quero seguir D2, mas o que Cristo ensinou: "não é o servo maior do que o seu Senhor". Oras, se Jesus foi humilhado, perseguido, rejeitado, injustiçado, caluniado e orou por todo mundo, quanto mais eu... Se Ele que é Rei e Filho de Deus foi injustiçado daquele jeito e continua sendo até hoje, quanto mais eu... Nessa perspectiva, meus problemas são medíocres. Devo aprender a orar pelo próximo e não a reclamar da chatice que sai pela boca dele.
  3. Não reclamar: Po, Jó só dava graças a Deus. Perdeu quase todos os servos, bois, jumentas, ovelhas, camelos, filhos e filhas e, ainda, a saúde do corpo, mas continuava contente com Deus e glorificando-O. Ele até passou por momentos de maior fraqueza física, emocional e espiritual, mas manteve sua integridade. Manteve mesmo sendo consumido sem causa.
  4. Humildade: Ô carinha humilde era esse tal de Jó. Rico pra dedéu, mas sempre foi justo e reto com servos e outros. Quantas pessoas ganham um coisinha pouca e já ficam loucas, metidas, arrogantes, perdendo o senso do ridículo... Humildade é uma virtude maravilhosa. Mesmo quando Deus restaurou a prosperidade de Jó para além do que ele tinha antes, ele manteve-se humilde. Era um homem muito especial, verdadeiramente.
O que há para decifrar? Jó cofessou ao Senhor que não O conhecia, apenas de ouvir falar. Falava do que não entendia - coisas maravilhosas demais e que não conhecia. Charlie Brown também precisava aprender alguma coisa com Jó. Charlie vive cercado por muitas pessoas do blá blá. A professora sem-cabeça é completamente ignorada, ele sequer entende o que ela fala. rs Seus amigos falam, falam, falam e criticam Charlie. E ele só refletindo as falas dos outros como "verdades" de forte influência sobre suas escolhas e atitudes. "Charlie vai com os outros". Já pensou se Jó desse ouvidos aos seus amigos e esposa? Com certeza, Deus não mudaria sua sorte e ele seria devorado. Mas ele decifrou o enigma porque escutou ao Senhor, perguntou-Lhe e Deus o ensinou. E satanás, furioso, o que fez? Lançou-se no precipício ou devourou-se como a demoníaca esfinge? rs.

5 comentários:

  1. kkkkk!!! Cassandra, vc é muito critiva! Lí os dois posts. Me diverti com o da UERJ, acordar 5 da manhã para ir a UERJ e não ter aula... dá raiva! Mas logo acima lí o post sobre Jó e fiquei pensando que ele daria graças ao Senhor! Olha só, e agora! Ter ou não ter raiva! Acho que Nietzsche tem tudo a ver com isso!!!! Muitos bjs e adorei o blog!

    ResponderExcluir
  2. :) Pois é, aprendi a dar graças a Deus sempre e em toda e em qualquer situação. É uma terapia com ótimos resultados, rs. Obrigada por seu comentário, Sandra. Fiquei muito feliz. Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Depois que eu li Caim do Saramago eu consegui captar a mensagem cotidiana de "paciência de Jó"
    Interessante! rsrsrs

    ResponderExcluir
  5. Ainda não li. Fiquei curiosa. :)

    ResponderExcluir